Espondilólise / Espondilolistese

Espondilólise é o nome dado a fratura de uma região específica da coluna, situada entre as articulações superiores e inferiores da vértebra. Esta fratura em alguns casos pode não cicatrizar e se consolidar, criando o que é chamado de pseudo artrose. Na pseudoartrose, como em qualquer outra fratura, no lugar da formação de uma ponte óssea na região da fratura, forma-se uma articulação rudimentar e muitas vezes instável. Desta forma, existe uma desconexão óssea entre os ossos da coluna nesta região. Isto causa instabilidade e movimentos anormais neste segmento da coluna. Devido a este desarranjo pode ocorrer dor, geralmente relacionada com esforços físicos que sobrecarregam a região da pseudoartrose e o disco intervertebral deste segmento da coluna, que se torna o principal estabilizador após a perda da conexão óssea pela fratura.

Espondilolistese é uma progressão da espondilólise. O nome tem origem no grego e significa deslizamento (olitesis) da vértebra (spondilo). Isto ocorre pela falha das estruturas que tentavam estabilizar o segmento da coluna lesado com a espondilólise. Devido ao posicionamento inclinado do disco intervertebral em algumas regiões, a gravidade traciona a vértebra superior como em um plano inclinado, levando a um deslizamento progressivo de uma vértebra sobre a outra, causando deformação do disco intervertebral e possível compressão de estruturas nervosas.

A causa da fratura é variada, podendo ser causada por traumas maiores como quedas e acidentes, mas podem também ser causadas por micro traumas repetidos em colunas predispostas anatomicamente. Este segundo mecanismo é o mais comum, causando o que é chamado de fratura por estresse. Geralmente ocorre em atletas e jovens muito ativos, que já apresentam predisposição anatômica para a ocorrência da lesão. Existem ainda casos onde acontecem malformações congênitas da região, predispondo ao aparecimento deslizamento.

Felizmente em muitos casos as estruturas que tentam estabilizar a coluna, como discos intervertebrais, ligamentos e músculos, são bem sucedidas nesta tarefa, sendo possível que muitos pessoas, que apresentam essa patologia, nem venham a saber que são portadores. Desta forma, grande parte do tratamento, quando necessário, é conservador, com algumas modificações de hábitos de vida e reabilitação. Por outro lado, alguns pacientes não são bem sucedidos e não alcançam uma reabilitação satisfatória e não retornam a uma vida saudável e ativa. A maior parte desses pacientes apresentam dores incapacitantes, provocadas pela lesão do disco intervertebral ou por compressão neurológica.

Devido a grande variedade de tratamentos disponíveis para a espondilólise/espondilolistese, os pacientes com queixas relacionadas à esta patologia, devem ser acompanhados profissionais especializados para avaliação do melhor método de tratamento, para que retornem às suas atividades com o mínimo de restrições.